quarta-feira, 5 de março de 2014

Relato Noturno

Cá estou
em mais uma noite
debruçado sobre a janela
fumando e bebendo
como de costume,
pensando na maldita vida que levo
na pouca expectativa que tenho
enquanto na tela um bom filme passa
Sobre Meninos e Lobos

Lá fora um céu nublado cobre a cidade,
como uma coberta sobre a criança
uma que ao escurecer, chora com gritos rasgados
de dor e sofrimento indigente
mas também sorri, o sorriso embriagado
e ri, o riso do gozo.

Estou na metade de mais um cigarro
o frio invade o quarto
virando o meu rosto sutilmente
para que possa encarar a cama vazia
uma bela e grande king size, comprada em parcelas,
meu mundo particular de espuma e edredom
conduzindo a memória
para um trailer recheado de posições, corpos nus,
sorrisos e orgasmos
mulheres estiveram ali em noites passadas
enebriadas e solitárias
porém, nenhuma ficou.

Preparo uma nova dose e encaro o céu
sempre soube que seria assim.
o calor é algo passageiro nesses tempos,
as mulheres se vão,
o frio sempre lembrara o meu devido lugar
e apesar das caricias da noite
eu me recuso a dormir, até ver o sol raiando.

- Renan M. Duarte




Um comentário:

  1. Esse é com certeza o seu poema,feito para si próprio .

    ResponderExcluir